Cuiabá - MT, 15/06/2021 às 17:25 hs

Coluna Essencial em 29/03/2021

"Executivos de Sucesso" - o lançamento e assinatura individual de cada personalidade agita a cidade

Clique para ampliar

Eu estive no lançamento do livro " Executivos de Sucesso " representando meu sócio Eduardo Toledo - da nossa empresa " Bianchini & Toledo  - Advocacia e Consultoria Jurídica. Eduardo mora em Brasilia, e coordena de lá a nossa base na capital do país. Parabéns e gratidão ao Cledson Oliveira e equipe pela seriedade e competência! Parabéns também, Eduardo, sua história de sucesso, é incrível!  Adoro, me amarro e sou fã! 

Clique para ampliar

Ela é a tradução do sucesso, da competência e do talento. Minha amiga-irmã amada idolatrada Natasha Slhessarenko também assina o livro "Executivos de Sucesso" ! Amo muito!

Clique para ampliar

André Baby - Engenheiro, e executivo de sucesso, também assinou sua página na história de pessoas proativas de Cuiabá e Mato Grosso. Congrats! 

Gostou? então compartilha ai!

Super

... sigo, com textos que me acalentam, nesses tempos difíceis e compartilho amor e carinho com vocês, amigos-leitores. Gratidão, me define !

Sobre Caio Fernando Abreu -  Caio Fernando Loureiro de Abreu (Santiago, 12 de setembro de 1948 — Porto Alegre, 25 de fevereiro de 1996) foi um jornalista, dramaturgo e escritor brasileiro.

Apontado como um dos expoentes de sua geração, a obra de Caio Fernando Abreu, escrita num estilo econômico e bem pessoal, fala de sexo, de medo, de morte e, principalmente, de angustiante solidão. Apresenta uma visão dramática do mundo moderno e é considerado um "fotógrafo da fragmentação contemporânea".

 

... uma de suas lindezas :

Tudo isso dói. Mas eu sei que passa, que se está sendo assim é porque deve ser assim, e virá outro ciclo, depois.

Para me dar força, escrevi no espelho do meu quarto: 'Tá certo que o sonho acabou, mas também não precisa virar pesadelo, não é?' É o que estou tentando vivenciar.

Certo, muitas ilusões dançaram - mas eu me recuso a descrer absolutamente de tudo, eu faço força para manter algumas esperanças acesas, como velas. Também não quero dramatizar e fazer dos problemas reais monstros insolúveis, becos-sem-saída.

Nada é muito terrível. Só viver, não é?

A barra mesmo é ter que estar vivo e ter que desdobrar, batalhar um jeito qualquer de ficar numa boa. O meu tem sido olhar pra dentro, devagar, ter muito cuidado com cada palavra, com cada movimento, com cada coisa que me ligue ao de fora. Até que os dois ritmos naturalmente se encaixem outra vez e passem a fluir.

Porque não estou fluindo.

Caio Fernando Abreu